Dominando a automação do fluxo de trabalho com Git Hooks

Thamara Araujo

12 março 2024 - 10:55 | Atualizado em 25 março 2024 - 14:03

No domínio em constante evolução do desenvolvimento de software, o Git se tornou a plataforma ideal para controle de fonte e codificação colaborativa. Sua agilidade e eficiência revolucionaram a forma como os programadores gerenciam projetos e compartilham códigos.

No entanto, como qualquer ferramenta poderosa, sempre há espaço para melhorias e otimização. Imagine um mundo onde as tarefas rotineiras do seu fluxo de trabalho Git, desde confirmações até push e pull, poderiam ser automatizadas a fim de aumentar a eficiência no processo de desenvolvimento de software. É aí que o Git Hooks entra em cena.

No post a seguir, abordaremos os principais recursos do Git Hooks, explorando seus recursos, como funciona e, o mais importante, como ele consegue melhorar o processo de construção de aplicações. Acompanhe!

O que são Git Hooks? 

Em essência, Git Hooks são scripts ou programas que o Git é capaz de executar em pontos específicos do processo de controle de fonte. Esses pontos, conhecidos como “ganchos”, são momentos predefinidos no workflow (fluxo de trabalho) do Git, como antes de um envio (commit), depois de um envio, antes de um push e muito mais. 

O Git fornece uma variedade de retornos de chamadas que correspondem a diferentes ações e eventos no workflow do Git.

Por que os Git Hooks são importantes? 

São essenciais, pois, capacitam as pessoas desenvolvedoras a personalizar e automatizar vários aspectos de seu workflow Git. 

Eles permitem que uma pessoa aplique padrões de codificação, execute testes automatizados, mantenha uma base de código consistente e até mesmo integre o Git ao seu pipeline de integração contínua/implantação contínua (CI/CD). 

Ou seja, os Git Hooks têm potencial em transformar o Git de um sistema de controle de versão em uma poderosa ferramenta de automação, ajudando na economia de tempo, redução de erros e melhoria da qualidade do código.

Tipos de Git Hooks

O Git oferece ganchos do lado do cliente e do lado do servidor, proporcionando flexibilidade na automatização de diferentes aspectos do seu fluxo de trabalho. Alguns tipos comuns de Git Hooks incluem:

  • Pré-commit: é executado antes de um envio ser feito, permitindo impor padrões de codificação e realizar verificações de qualidade do código;
  • Pós-commit: é realizado após um envio ser realizado e pode ser usado em tarefas como envio de notificações ou acionamento de compilações automatizadas;
  • Pré-push: é feito antes que o código seja enviado a um repositório remoto, permitindo que um indivíduo execute testes e evite que códigos com problemas sejam enviados.

Configurando Git Hooks

Aqui está um guia passo a passo sobre como configurar Git Hooks:

1. Localize o diretório “.git/hooks”

O Git armazena seus ganchos no diretório “.git/hooks” do seu repositório Git. Este diretório contém um conjunto deles de amostra, cada um com um nome específico como “pre-commit”, “post-commit”, “pre-push” e outros;

2. Escolha o gancho relevante

Decida qual Git Hook que o usuário deseja configurar com base na ação ou evento que deseja automatizar. A título de ilustração, se quiser impor padrões de codificação antes de um envio, você trabalhará com o retorno de chamada “pre-commit”.

3. Torne o gancho executável

Por padrão, o Git armazena esses hooks como arquivos executáveis. No entanto, pode ser necessário garantir que o arquivo hook que deseja usar seja executável. 

Caso contrário, é possível alterar as permissões do arquivo com a finalidade de torná-lo executável. Isso pode ser realizado digitando o seguinte comando em um cenário semelhante ao Unix:

4. Edite o Hook Script

Abra o arquivo hook escolhido em um editor de texto. É possível modificar o script com o objetivo de definir as ações específicas que deseja executar quando o gancho for acionado. 

Isso pode incluir a execução de testes, a verificação da qualidade do código ou a execução de qualquer outra tarefa automatizada;

5. Salvar e testar

Salve suas alterações no arquivo hook e teste-o executando a ação Git associada. Exemplificando, se você editou o hook “pre-commit”, tente fazer um commit para ver se o seu script personalizado é executado conforme o esperado;

6. Personalize conforme necessário

Existe a possibilidade de personalizar ainda mais o script do gancho com o propósito de atender aos requisitos do seu projeto. Git Hooks são altamente flexíveis, permitindo adaptá-los às suas necessidades específicas.

Casos de uso e exemplos práticos de Git Hooks

Vejamos alguns exemplos práticos de como organizações e programadores estão usando Git Hooks:

  • Integração Contínua

Os desenvolvedores usam os retornos de chamadas “post-receive” ou “post-update” a fim de acionar pipelines de CI/CD automaticamente quando o código é enviado ao repositório remoto. 

Exemplo: a medida em que um programador envia alterações de código ao repositório Git central, um hook “post-receive” aciona um pipeline Jenkins, que cria o aplicativo, executa tentativas e o implanta em um cenário de testes.

  • Notificações e alertas por e-mail

A título de ilustração, um hook “post-receive” pode acionar uma notificação por e-mail às partes interessadas relevantes quando o código é enviado ou mesclado.

Exemplo: após uma implantação bem-sucedida, esse hook envia um e-mail à equipe de desenvolvimento, informando que os novos recursos estão ativos e prontos para teste.

  • Configuração de ambiente

Por exemplo, um gancho “post-checkout” é capaz de configurar automaticamente variáveis ​​de ambiente, instalar dependências ou aplicar alterações de configuração à medida em que um programador faz check-out de um branch específico.

Exemplo: quando uma pessoa desenvolvedora faz check-out de uma ramificação de recurso, esse retorno de chamada atualiza as variáveis ​​para apontar ao servidor de desenvolvimento correspondente, garantindo que elas funcionem no cenário correto.

Boas práticas no uso do Git Hooks

Para aproveitar ao máximo os Git Hooks, considere estas práticas recomendadas:

  • Padronize ganchos: estabeleça um conjunto de retornos de chamadas padronizados que todos os membros da equipe usem. Isso garante consistência e reduz o risco de conflitos;
  • Ganchos de controle de versão: adicione scripts de hooks nesse controle com a finalidade de garantir que todos os membros da equipe tenham acesso aos mesmos retornos e configurações;
  • Mantenha os ganchos simples: evite lógica excessivamente complexa nos retornos de chamada. Mantenha-os focados em tarefas específicas e use-os com o intuito de automatizar processos repetitivos;
  • Documentação abrangente: documente os scripts de retornos de chamadas completamente, incluindo sua finalidade, uso e quaisquer configurações necessárias;
  • Tratamento de erros: implemente um tratamento robusto de erros em hooks a fim de fornecer mensagens de erro claras e informativas.

Concluindo, o Git Hooks se destaca como uma ferramenta poderosa no arsenal do desenvolvedor, oferecendo a capacidade de automatizar e agilizar aspectos críticos do fluxo de trabalho de desenvolvimento. 

Conforme exploramos, eles são capazes de aumentar significativamente a produtividade e a eficiência do código. Adotar esta automação não só reduz a probabilidade de erros, mas também promove a colaboração e a consistência entre os membros da equipe.

Quer ficar por dentro de mais conteúdos como este e acompanhar as tendências de programação? Então não deixe de continuar de olho nas publicações em nosso blog!

Recomendados para você

Formato humano de rosto humano desenhado em meio a engrenagens
Serviços cognitivos da Microsoft: entenda as principais APIs ...
Homem sentado analisando gráficos de ações em computador
Uso de tecnologia financeira: saiba quais erros você precisa evitar ...
Homem programando com um tablet e três telas de computador
A inteligência das ameaças cibernéticas envolvendo a segurança em Machine Learni ...